Apesar de muitas mulheres aceitarem as suas formas e tamanhos os sentimentos em torno da celulite são praticamente inalterados – ainda são vistos como indesejáveis. As prateleiras das lojas são revestidas com produtos que prometem diminuir a aparência de ondulações e os Centros de Estética oferecem tratamentos com resultados mais duradouros. Mas haverá alguma cura?

A celulite é uma condição moderna que criou mais confusão do que respostas. Pesquisar informações básicas sobre o tópico pode resultar em uma miríade de dados conflitantes. Os profissionais médicos acreditam que a celulite não é um problema, embora seja inestética. Devido à natureza desagradável da condição, tratamentos estéticos, cremes e reclamações sobre suas causas e cura abundam.

A celulite, que não deve ser confundida com celulite ou celulóide, foi classificada clinicamente com uma variedade de nomenclaturas, incluindo adipose edematosa, dermopanniculose deformante, estado protrusus cutis e lipodistrofia genóide. O sufixo “ite” geralmente refere-se à inflamação no vernáculo medicinal e amplamente utilizado e aceite pelos médicos e pela população em geral.

Em termos básicos, a celulite é a extrusão de bolsas de gordura através de camadas de fáscia ou tecido conjuntivo, logo abaixo da derme, que pode ser vista através da camada superior da epiderme, ondulações na pele e covinhas. Esse efeito geralmente ocorre nos quadris, nádegas e abdomen.

A celulite ocorre na maioria das mulheres, pode resultar de uma combinação complexa de fatores que variam de hormonais à hereditariedade.

Resulta de muitos fenómenos complexos que envolvem a epiderme, derme e tecidos subcutâneos. A maioria das mulheres desenvolverá celulite em determinado momento das suas vidas.

São mais as mulheres do que homens sofrem de celulite. Na verdade, a maioria dos homens mostra pouco ou nenhum sinal de ondulação da celulite. A celulite aparece após a puberdade e é mais predominante nas mulheres obesas ou execesso de peso.

A razão pela qual mais mulheres do que homens são afetadas pela celulite pode ser encontrada na biologia da pele e nas hormonas, devido à capacidade anatómica das mulheres de distender os tecidos e pele para acomodar um bebe em crescimento e aumentar os quadris.

  • GRAUS.

A celulite geralmente apresenta dois a quatro estágios (graus) que aumentam em gravidade ao longo do tempo (se não for tratada).

Na celulite suave (grau 1) muitas vezes não é possível verificar a irregularidade quando a pessoa está deitada ou até mesmo em pé. Acredita-se que ondulações profundas ocorrem quando os vasos sanguíneos e linfáticos se deterioram e o líquido e as toxinas acumulam-se, levando as fibras de colagénio e elastina a enrolarem-se à volta das células adiposas, o efeito de casca de laranja com covinhas aparecerá.

Sem tratamento ou exercício de fortalecimento e desintoxicação, as fibras de colagénio e elastina começam a romper envolvendo aglomerados de células adiposas em vez de células individuais. Aqui estamos perante uma forma mais dura e dolorosa de celulite tornando a zona sensível, dolorosa produzindo zonas frias na pele pois a circulação foi reduzida ou suprimida.

  • CAUSAS

Existem evidências que sugerem que o estrogénio é dos fatores mais comuns envolvidos no agravamento e persistência da celulite, no entanto: estrogénio, insulina, noradrenalina, hormonas da tiróide e prolactina fazem parte do processo de desenvolvimento da celulite, assim com a menstruação, gravidez, uso de anticoncepcional e reposição hormonal parecem apoiar essa evidência.

Uma teoria é que a diminuição dos níveis de estrogénio ou desequilíbrios hormonais podem restringir o fluxo sanguíneo para o tecido conjuntivo que suporta as camadas de gordura subcutâneas, assim há menos aporte de oxigénio para os tecidos e consequente menor produção de colagénio.

No entanto a diminuição da oxigenação e o enfraquecimento da pele epidérmica (flacidez) podem resultar de outros fatores incluindo: idade, tabagismo, genética e perda/aumento de peso, outro possível contribuinte é o  uso de roupas elásticas muito apertadas nas nádegas, que podem comprimir o tecido cutâneo e limitar o fluxo sanguíneo, aumentando a aparência da celulite.

  • Soluções?

Muitas vezes parece que, não importa quais tratamentos são usados, a celulite se recusa-se a desaparecer permanentemente. Alguns optam pelos benefícios menos invasivos de massagens regulares, tratamentos de drenagem linfática, cremes e envolvimentos, mas esses tratamentos por si só podem não ser suficientes, dependendo do nível de celulite.

Até o momento, nenhuma solução rápida foi encontrada, a evidência do tratamento mais eficaz até agora parece ser o básico: exercício, comer bem e cuidar da pele e do corpo. Além disso, o exercício regular pode estimular o processo de limpeza natural do corpo. Através do suor e do fluxo sanguíneo, podem ser criados tecidos mais saudáveis que sustentam as reservas de gordura com mais facilidade, em vez de entrarem em colapso.

Se precisar de uma ajuda extra no combate à celulite procure sempre profissionais para orientar os tratamentos mais adequados!

 

Fonte: Rachelle Dupree (Dermascope)